6 de fevereiro de 2013

Montanhas Mágicas assinam Carta Europeia de Turismo Sustentável



Nas Montanhas Mágicas coabitam 7 municípios. Cada um com seus encantos, com as suas tradições e individualidades. Mas agora Arouca, Vale de Cambra, Castelo de Paiva, Castro Daire, Cinfães, S. Pedro do Sul e Sever do Vouga assinaram a Carta Europeia de Turismo Sustentável, candidatando-se à Federação Europeia de Parques.

Impulsionada pela ADRIMAG (Associação para o Desenvolvimento Rural Integrado das Serras do Montemuro, Arada e Gralheira), a candidatura contou com o envolvimento das populações e com o apoio da empresa Ponto Natura.

E com diferenças entre os territórios, quais as vantagens desta candidatura?
A candidatura à Federação Europeia de Parques Nacionais e Naturais, pretende valorizar as práticas de águas bravas, o termalismo, o património geológico, a paisagem serrana, a cultura regional, a gastronomia e os vinhos locais, numa concertação da oferta que implica o envolvimento dos agentes económicos. Actualmente, a Federação Europeia de Parques tem 107 parques em 13 países.

Fonte: http://www.aroucatv.com/?p=1067

Sete Municípios das "Montanhas Mágicas" assinam hoje Carta Europeia de Turismo Sustentável

Arouca, 23 jan (Lusa) - Arouca, Castelo de Paiva, Castro Daire, Cinfães, S. Pedro do Sul, Sever e Vale de Cambra assinam hoje a Carta Europeia de Turismo Sustentável, candidatando-se à Federação Europeia de Parques para promoção comum das "Montanhas Mágicas".

É essa a expressão que designa o território abrangido pela Associação para o Desenvolvimento Rural Integrado das Serras do Montemuro, Arada e Gralheira (ADRIMAG), que, com a candidatura à referida Federação Europeia de Parques Nacionais e Naturais, pretende valorizar sete produtos do território: as práticas de águas bravas, o termalismo, o património geológico, a paisagem serrana, a cultura regional, a gastronomia e os vinhos locais.

José Artur Neves, que presidente à direção da ADRIMAG, declarou à Lusa que "o que muda hoje é a visão de desenvolvimento destes municípios, que deixam de ter uma estratégia isolada do que querem para si próprios e passam a implementar um plano de ação coletivo, em que todos contribuem para a valorização das singularidades próprias deste território especial de montanha".

Fonte: http://www.jn.pt/paginainicial/interior.aspx?content_id=3010078